28.5.08

Devaneio #37

Uma besteira qualquer,
um tiro ecoa lá longe,
uma cantada de pneu vem logo em seguida...
O som do silêncio quase impede que o breve arfar seja ouvido,
o som do estampido ainda é a única coisa que ele ouve,
enquanto pronuncia entre respirações falhadas a primeira coisa que te vem a cabeça,
uma besteira qualquer,
a conta que você não pagou,
e que agora não importa mais,
o sorriso de alguém,
os teus filhos,
teus irmãos,
tua esposa,
nada mais existe...
nada mais existirá em alguns momentos,
e de longe você ouve um ruido bem mais forte que o estampido anterior,
significaria a salvação, mas é tarde demais,
agora significa apenas uma besteira qualquer...

Um comentário:

Carla Arend disse...

que bonito isso, guri. desesperadamente bonito.